Vírus Dengue sorotipo 5: uma bomba relógio

A dengue é considerada a arbovirose de maior importância no mundo e representa um sério problema de saúde pública. Apesar de ter apenas um nome, a dengue é causada por (até bem recentemente) quatro sorotipos diferentes do vírus da dengue. Cada sorotipo se distingue geneticamente dos demais, o suficiente para que a imunidade gerada por um deles não proteja contra os outros. Ou seja, se você se infectou pelo sorotipo 1, não está protegido da infecção contra o sorotipo 2, por exemplo. O ruim disso tudo é que justamente nessa segunda infecção que ocorre a maior parte dos casos de dengue hemorrágica.

Um novo integrante para a turma

Após 50 anos sem a descrição de um novo sorotipo, o quinto sorotipo do vírus da dengue (DENV-5) foi anunciado em outubro de 2013, após testes em amostras de sangue de um agricultor com sintomas de dengue, lá na Malásia.

Possíveis razões para o surgimento do novo sorotipo   

Como os outros quatro sorotipos, sugere-se que o DENV-5 circulava há séculos entre primatas não humanos nas florestas do Sudeste asiático, antes de saltar a barreira interespécie,  infectando humanos.  Como a dengue silvestre é nativa de florestas tropicais, a quebra dessa barreira (quase inexistente) pode ser atribuída à ações humanas, como o desmatamento, habitações não planejadas e precárias e falta de saneamento básico. Essas interferências, juntamente com a circulação simultânea de vários sorotipos e recombinações genéticas são fatores que podem ter ajudado no surgimento do DENV-5.

E o no que o DENV-5 impacta na sua vida ~e na do resto da população mundial?

Embora relatos de surtos de DENV-5 só tenham ocorrido em 2007, no Sudeste Asiático, ocorrência de novos surtos não pode ser descartada. E se o DENV-5 se espalhar por outros países, a situação pode se complicar ainda mais: como uma grande parcela da população mundial já teve infecção por um dos quatro sorotipos, a infecção pelo DENV-5 apresenta maior probabilidade de evoluir para quadros de dengue hemorrágica. Além disso tudo, algumas especulações foram levantadas: será que pode haver sorotipos que ainda não tenham sido identificados? Alguém aí também pensou no atual fluxo de pessoas causado pela globalização, nos megaeventos esportivos e no impacto que isso pode gerar ?

E a vacina?

Para uma vacina de dengue ser eficaz, ela tem que oferecer proteção contra todos os sorotipos existentes. Embora seja licenciada e distribuída num futuro próximo, essa  vacina pode não ser capaz de oferecer proteção contra os sorotipos DENV adicionais que possam existir no ciclo silvestre. Por isso, o desenvolvimento de uma vacina contra a dengue deve ser visto apenas como um complemento a outras medidas de saúde pública tais como o controle integrado de vetores,  mobilização social e estratégica gestão ambiental e epidemiológica. Independente de quantos sorotipos existirem, a dengue só será controlada de maneira eficaz utilizando os esforços da comunidade local, em colaboração com os setores público e privado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *